Luteranos do Brasil e do exterior denunciam governo Bolsonaro

Um grupo de luteranos, preocupado com os rumos que o Brasil está tomando, com a insensibilidade da Presidência da República no enfrentamento da pandemia do covid-19, na assistência às comunidades indígenas e quilombolas, pede, em manifesto assinado por edudacores/as, pastores/as, comunicadores/as e profissionais de diferentes áreas, basta de autoritarismo, mais democracia

Eis o manifesto:

                          Pela saúde da democracia

Ao tomar posse em 1º de janeiro de 2019, o capitão reformado que foi exonerado do Exército acusado de ação terrorista, Jair Messias Bolsonaro defendeu, no Congresso, um “pacto nacional” para conduzir o país a “novos caminhos”. Depois, já com a faixa presidencial, falou ao povo reunido na Praça dos Três Poderes prometendo “tirar o peso do governo sobre quem trabalha e produz”.

Palavras apenas sedutoras para início de mandato. Um ano e meio de governo bastou para desmentir todos esses acenos iniciais. O “pacto nacional” transformou-se em “divisão nacional”, promovida pelo gabinete do ódio, instalado no Palácio do Planalto. A ideologia que defende bandidos está inserida no DNA de um presidente vinculado a milicianos e que procura cumprir promessa de campanha de “armar a população”. 

Os “novos caminhos” pouco se importam com quem trabalha e produz. Trabalhadores perdem direitos conquistados há anos. Vale o negociado sobre o legislado. O ministro da Economia, Paulo Guedes, colocou a “granada no bolso do inimigo”, leia-se servidores federais e assalariados. Seguindo a cartilha neoliberal, o propósito do ministro é privatizar, colocar o Brasil a venda, deixar a área pública em terra arrasada, dilapidando o patrimônio da população brasileira sob os aplausos de parte de uma elite econômica que dá sustentabilidade a esse desgoverno.

Os “novos caminhos” que acabariam com o toma-lá-dá-cá trouxeram para a agenda política a compra de parlamentares do Centrão para barrar qualquer iniciativa de impeachment, e defender negociatas e desmandos de filhos do presidente. A Câmara dos Deputados recebeu 50 pedidos de impeachment do presidente da República, apontando crimes de responsabilidade, engavetados pelo presidente da casa.

Os “novos caminhos” estão marcados por ofensas, agressões e conflitos do Executivocom governadores e prefeitos, com o Legislativo e o Judiciário, sob a ameaça de que um jipe e um soldado dariam conta do STF, intervenção antidemocrática apoiada por manifestantes bolsonaristas em diferentes ocasiões. 

Os “novos caminhos” integraram mais de três mil militares ao governo, incentivaram a ação de madeireirasgarimpeiros e aproveitadores na invasão de terras indígenas e o desmatamento desenfreado da Amazônia. Esse desgoverno é responsável, direta e indiretamente, pelo genocídio indígena, ao descumprir determinação constitucional de demarcar suas terras (Art. 231), antes quer reduzi-las. Mais, o governo vetou até mesmo a distribuição de água potável para indígenasquilombolas e comunidades tradicionais (PL 1142).

Do exterior vem o alerta: Investidores estrangeiros chamam a atenção internacional para o fracasso do governo brasileiro em proteger as florestas, o que pode obrigá-los a rever investimentos.

Mas é no campo da Saúde, comandada por um militar na ativa que não tem qualquer afinidade com a área, a não ser agradar o presidente vendedor de cloroquina, que o governo federal apresenta sua face necrófila, acentuada com a pandemia do coronavírus. O Brasil ultrapassou a triste marca de 100 mil mortos, vítimas da doença. O luto de milhares de famílias chorando seus mortos não sensibiliza o governo na alteração de rumos no enfrentamento do covid-19

E daí. Não sou coveiro”, é o máximo que um presidente autoritário, descontrolado, debochado, despreparado, preocupado, sim, com amigos e familiares para não caírem nas malhas da Justiça, sabe dizer à nação.

O presidente tem como bandeiras “a família, Deus, Brasil, armamento, liberdade de expressão, livre mercado”. Liberdade de expressão para difundir mentiras via redes sociais, atacar a imprensa que ousa questionar ações do seu governo; livre mercado para acabar com o Sistema Único de Saúde e políticas públicas voltadas às comunidades mais vulneráveis; o Brasil como bandeira, mas bate continência ao pavilhão estadunidense, e tem em Donald Trump o seu protótipo; um governo que acaba com a política de desarmamento e venera um deus sem cruz, mas com espada.

religiosidade de Bolsonaro só é marqueteira. Ora ele se diz seguidor do catolicismo, ora bajula líderes neopentecostais e se deixa batizar por pastor evangélico no Rio Jordão. Um presidente que elogia torturador também deve concordar com a tortura sofrida por Cristo na cruz e por isso mesmo não lhe cabe o atributo de cristão! 

Impressiona que a eleição de Bolsonaro desbloqueou parte da sociedade brasileira para eleger e aplaudir um “mito” descabido, demolidor do Brasil e que na campanha lamentou que a ditadura não tenha matado mais. A verdade certamente nos libertará, outro refrão do presidente que não encontra sustentabilidade em ações. Estamos conhecendo a verdade desse desgoverno diariamente em todo o seu potencial destrutivo de direitos humanos, do parque industrial, da natureza, de políticas públicas em favor das famílias empobrecidas, das relações internacionais, favorecendo o sistema financeiro e enganando o povo. A saída da crise democrática é mais democracia.

Nós, herdeiros e seguidores da Reforma protestante, jamais seguiremos teologias que se dizem evangélicas, mas que apoiam e dão sustentabilidade a um governo que trocou a cruz pela arma, que mente e desconsidera a dignidade das pessoas. Jamais colocamos, ou colocaremos, nossa confiança nesse desgoverno, que afirma “Deus acima de tudo e de todos”, e entende o Brasil como se o país fosse um patrimônio privado.

Acreditamos no Deus bíblico, que diz: “Eu sou o que está aí e estarei aí” (Êxodo 3,14) – não acima de todos, mas junto às pessoas mais vulneráveis e que acompanha o seu povo escravo no caminho da libertação. Nosso Messias é Jesus Cristo, o Emanuel, o Deus presente, que estará conosco até o fim dos tempos.

Identificados e identificadas com o Evangelho de Jesus Cristo, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e amparados na Constituição federal lembramos o testemunho do reformador Martim Lutero: uma autoridade que esquece que existe por causa da população e age conforme as próprias ideias e vantagens – tal autoridade é pagã.

Comprometidos e comprometidas com esta afirmação e querendo vê-la praticada em toda a parte, assinamos.

#

Publicado por blogdocondearthur

Publicitário, jornalista e escritor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: